Strider - Senhores do Submundo - A Rendição mais Obscura (The Darkest Surrender) - Livro 8

Ora bem, como já devem ter reparado eu não sigo nenhuma ordem especial quando falo destes livros. Aliás, na realidade, eu nem sequer falo do livro em si porque a intenção não é fazer um book review. Existem inúmeros book reviews sobre cada livro desta colecção, tanto em Português como em Inglês, e quem tiver interesse rapidamente os encontra espalhados por aí na internet. Normalmente, o que mais me atrai em qualquer obra é a força das personagens, o seu desenvolvimento, a sua natureza e a forma como esta é explorada. Na minha óptica, quando existe uma boa personagem, a história escreve-se a si própria sem ser necessário criar momentos artificiais. E é isso que, na minha opinião, acho que acontece nestes livros, independentemente, dos estereótipos e das situações descritas.
 
Assim sendo, a prenda de hoje é o "piqueno" Strider... quer dizer... isto dito desta forma pode, eventualmente, induzir em erro mas adiante... o que eu quero dizer é que vamos falar do Strider e não do pequeno apêndice que o acompanha... bom, é melhor ficar por aqui antes que a conversa descambe.
 
Quem é então este belíssimo rapaz?
 

Este moço loirinho, de 1,96 m e olhinhos azuis é o Guardião da Derrota e consorte da harpia Kaia (é caso para dizer que, efectivamente, há harpias com sorte). A história dele é contada no oitavo livro da série intitulado A Rendição mais Obscura (The Darkest Surrender). Devido à natureza do demónio que alberga este nosso "piqueno" tem de ganhar todos os desafios que lhe fazem. Se perder, sofre dores atrozes durante dias o que o deixa incapacitado.
 
Apesar de não ser um dos meus favoritos (porque ficou em 4º lugar e eu só podia escolher 3), é uma personagem com um excelente sentido de humor. Ainda que atormentado q.b. pelo seu demónio, não é dos que mais anda a chorar pelos cantos da casa e por falar em casa... *sorrisinho safado e maléfico*... era o tipo de rapaz que me dava muito jeito ter lá em casa, exactamente, por causa do seu demónio. Notem, o embrulho também é muito apelativo e tenho a certeza que me ocorreriam diversas formas de utilização, mas aquele demóniozinho tem um potencial extraordinário para a realização de tarefas domésticas.
 
Vejam bem, além dos homens de 1,96 m serem fantásticos para trocarem as lâmpadas dos candeeiros de tecto sem ser preciso ir buscar o escadote, se viessem com o bónus do demónio da derrota era uma espécie de paraíso na terra!
 
Imaginem só:
 
Lavar a loiça do jantar.
 
"Queridoooooo... fofinhooooo... Aposto que não consegues lavar aquela loiça toda numa hora." e zuca! Lá saía o rapaz disparado para a cozinha (Nota: pronto, convém dar assim um tempo razoável para completar a tarefa com sucesso que é para não o deixar incapacitado, senão lá nos saía o tiro pela colatra).    
 
Jantar fora.
 
"Amoreeeeeeeeeee.... lindooooooo.... Aposto que não me consegues levar a jantar ali a um restaurante no Lx Factory." e zuuum! Lá íamos nós a correr para o Lx Factory (Nota: Claro que nestas coisas convém especificar os locais onde queremos ir jantar, senão ainda acabamos no McDonalds ou no Pizza Hut).
 
Discussões.
 
"Estúpido! Aposto que não consegues trancar-te na dispensa e ficar calado durante 5 horas!"
 
Já viram, um rapaz destes nas mãos de uma pessoa criativa - como eu - era uma coisa linda. A minha casa estaria sempre arrumadinha. Fantástico.
 
É claro que um dos grandes ressentimentos do nosso "piqueno" Strider é, exactamente, a utilização indevida do seu demónio para fins mais... vá... lascivos, mas eu confesso que simpatizo muito mais com a ideia das tarefas domésticas. 
 
Et voilá, este é - em poucas palavras - o nosso amigo Strider.
 

Comentários