A saga "Lords of the Underworld" (Senhores do Submundo)

A minha incursão, nas aventuras e desventuras destas fantásticas criaturas, começou muito antes de eu ter adquirido o meu kobo. Todavia, tornou-se numa verdadeira obsessão depois da aquisição do mesmo. 
 
O primeiro livro desta saga de romance paranormal da escritora Gena Showalter, é o "The Darkest Night" ou em português a Noite mais escura (o The Darkest Fire é uma "prequela" (está entre parêntesis porque não é termo inglês que não aparece nos dicionários em português, mas que normalmente se refere a uma narrativa prévia à obra em questão), começa por contar a história de 1 dos 12 senhores do submundo e os livros que se seguem vão dando conta da história de cada um deles e de como estas se relacionam com o enredo geral deste universo.
 
 Este primeiro livro tenho-o em versão papel e em inglês, mandei-o vir da Amazon há já algum tempo. Todos os restantes, tenho-os em versão electrónica e em português (porque na realidade eram mais baratos do que a versão original, embora as traduções não sejam nada de extraordinário e nalguns casos a revisão de texto deveria ter funcionado um bocadinho melhor).
 
São livros que estão associados a uma editora, sobejamente, conhecida pela sua literatura de cordel, a Harlequin, mas se querem que voz diga este é um preconceito bastante fácil de ultrapassar logo após a leitura das primeiras páginas. Para quem considera que o Christian Grey (o nosso adorado Fifty Shades), é um verdadeiro manual de instruções para iniciação em BDSM (ou quase), estes são também uma espécie de manual de instruções para coisas menos extremas... bom, mais ou menos... há alguma violência... Ok e há alguns detalhes bastante gráficos... Bem, na verdade tem bastante violência e bastante sangue... bom, imaginem algo tipo a série de tv Spartacus e o género é o mesmo mas em versão de literatura e num universo fantástico com tudo o que é criaturas normais, anormais e paranormais.
 
O enredo explora uma abordagem alternativa ao mito de Pandora, cuja a abertura da famigerada caixa não é da responsabilidade da pobre rapariga mas sim de doze guerreiros imortais que - em linguagem corrente - puseram a pata na poça e como castigo viram-se obrigados a albergar, cada um deles, um mal (a.k.a. demónio) fugido da caixa. Este primeiro livro debruça-se sobre a história do Guardião da Violência.
 
Até ao momento, tanto quanto me foi possível averiguar, estão publicados 10 livros sobre a história base, a saber:
 
1. The Darkest Night / A noite mais escura - Sobre o guardião da violência.
2. The Darkest Kiss / O beijo mais escuro - Sobre o guardião da morte.
3. The Darkest Pleasure / O prazer mais obscuro - Sobre o guardião da dor.
4. The Darkest Whisper / Palavras Escuras - Sobre o guardião da dúvida.
5. The Darkest Passion / (N/A) - Sobre o guardião da raiva.
6. The Darkest Lie / A mentira mais escura - Sobre o guardião da mentira.
7. The Darkest Secret / O segredo mais escuro - Sobre o guardião do segredo.
8. The Darkest Surrender / A rendição mais obscura - Sobre o guardião da derrota.
9. The Darkest Seduction / A sedução mais escura - Sobre o guardião da promiscuidade.
10. The Darkest Craving / (N/A) - Sobre o guardião do desastre.
 
Os dois que ainda faltam, são as histórias do Guardião da Doença (Torin) e da Guardiã da Tristeza (Cameo).
 
Antes da "Noite mais Escura", existe o livro "The Darkest Fire" (que é uma narrativa anterior à história destes guardiões), entre o "The Darkest Pleasure" e o "The Darkest Whisper" vai aparecer um livro intitulado "The Darkest Prison" (que não está directamente relacionado com a história dos Guardiões, mas faz parte do mesmo universo), e entre o "The Darkest Whisper" e o "The Darkest Passion" vai aparecer um outro livro intitulado "Heart of Darkness" que contém a história "The Darkest Angel" e esta sim tem uma relação com a história dos senhores do submundo, porque é a história do anjo Lysander (personagem que vai aparecendo nos livros). Posteriormente, esta é a história que vai dar origem à - por enquanto - trilogia "Angels of the Dark" e que explora a parte mais celestial (por assim dizer) deste universo.
 
À laia de conclusão (até porque este texto já vai longo), não obstante o facto de não estarmos perante uma obra tão magnifica como o universo idealizado por Tolkien, por exemplo, a verdade é que estamos perante um mundo muito bem construído, com personagens muito engraçadas, bem construídas e com um enredo muito bem concebido que vale a pena ler.     

Comentários