Maneiras pouco convencionais de jogar World of Warcraft

Ao contrário de muitos jogadores, de World of Warcraft, eu não tenho grande paciência para andar a correr com uma personagem e bater palminhas quando chego ao nível 85 ou 90 (consoante se tenha ou não a última expansão). Em boa verdade, até para chegar ao nível 70 foi o cabo dos trabalhos porque, normalmente, me distraía a fazer e a experimentar outras coisas. Da mesma maneira, não  considero particularmente interessante carregar uma personagem de heirlooms só para ter mais bonús e fazer o leveling mais depressa. Notem, eu também tenho heirlooms mas tenho-os porque gosto de experimentar coisas novas e não porque queira ter "a melhor" personagem do mundo (além disso, só tenho uma personagem com este tipo de items).
 
Para mim, constitui um desafio muito mais divertido é tentar alcançar o achievement For the Horde (ou For the Alliance) num grupo em que todos os personagens estão nús do que fazer a mesma coisa num grupo em que todos os personagens estão altamente equipados e matam o oponente só com um espirro. O mesmo é válido para battlegrounds e para dungeons. Na minha óptica é muito mais giro ver/descobrir o que é uma personagem é capaz de fazer não tendo nada, por exemplo, do que tendo tudo. Até porque, por norma, um jogador que tem uma personagem super equipada dificilmente saberá jogar essa mesma (ou outra) personagem sem qualquer tipo de equipamento visto que, fazer uma coisa destas obriga o jogador a repensar o seu estilo de jogo e a adaptá-lo à situação em que se encontra.  
 
Como devem calcular, encontrar jogadores que partilhem desta mesma filosofia de jogo não é nada fácil. Aliás, não só não é fácil como também nos proporciona a aprendizagem de insultos nas mais variadas línguas (mesmo que a mais comum seja o inglês).
 
 Todavia, ontem descobri que não estava sozinha. Espalhados por esse mundo fora existem alguns jogadores que partilham desta forma alternativa de olhar para o jogo.
 
No blog da Ironyca descobri um post de 2011 intitulado: "The Overlooked Heroes of WoW - Unconventional Ways to Level". Confesso-vos que achei absolutamente brilhante todos os exemplos apresentados, mas o meu favorito foi - sem dúvida - o "Naked Troll project" de seu nome Jumba.
 
De facto, nunca me tinha passado pela cabeça fazer o leveling, desde o nível 1, de um personagem completamente nú (ok, vá com a parrita a cobrir-lhe as partes baixas). Da mesma forma que nunca me tinha passado pela cabeça que o deixassem integrar um grupo de Raid e no entanto, ele conseguiu-o.
 
Adorei, igualmente, o conceito da personagem "Noor the Pacifist" um gnome rogue (apesar deste mesmo conceito ser também aplicado a outras personagens) que se recusa a matar mobs ou quaisquer outros jogadores em battleground (as mortes acidentais não contam).
 
Gostei também do desafio da Maedra (fazer o leveling de um personagem sem morrer uma única vez) e do Thriftee (o anão hunter que não podia gastar dinheiro em nada, mesmo nada). Não menos interessante é o desafio do Ironman, um conceito amplamente desenvolvido por Vrykerion  e por Psynister no qual o leveling dos personagens deve ser feito vestindo, unicamente, itens cinzentos ou brancos (o que actualmente é óptimo para poupar dinheiro a julgar pelo preço das coisas no Auction House).
 
Portanto meus caros... quando se cruzarem com um personagem que vos parece estar a fazer uma coisa estranha, ou vestido de uma maneira esquisita (ou mesmo nú, vá), não se precipitem a insultá-lo ou a chamar-lhe noob, porque se calhar ele joga há muito mais tempo e muito melhor do que vocês alguma vez jogarão. E se por acaso, um dia, no RDF, se cruzarem com um tank todo equipado com itens cinzentos, em vez de começarem a reclamar façam o que eu fiz com a minha Belf mage. Tirem a roupa (opá! eu não tinha itens cinzentos nos meus sacos), porque garanto-vos que aumentam as vossas probabilidades de sobrevivência (e aumentam também as vossas probabilidades de serem insultados).
 
Fiquem bem e até à próxima. :)  



    

   

Comentários